Google+ Badge

Facebook já recebe mais verba publicitária do governo federal que os grandes jornais (mais 9 notícias)

Facebook já recebe mais verba publicitária do governo federal que os grandes jornais (mais 9 notícias)

Link to Tecnoblog

Facebook já recebe mais verba publicitária do governo federal que os grandes jornais

Posted: 02 Jul 2015 02:25 PM PDT

Facebook

A principal fonte receita do Facebook é a publicidade, e o governo brasileiro oferece uma boa contribuição aos relatórios financeiros da rede social. Segundo o UOL, em 2014, a União desembolsou pouco mais de R$ 24 milhões em publicidade oficial para o Facebook. Com esse valor, a rede social ultrapassa inclusive empresas de mídia tradicionais, como o Grupo Folha (R$ 14 milhões), a revista Veja (R$ 19 milhões) e o jornal O Globo (R$ 21 milhões).

Desde 2010, quando a governo federal começou a anunciar no Facebook, o valor vem crescendo quase exponencialmente. No primeiro ano, o Banco do Brasil bancou quase todo o investimento, que foi de R$ 8.167. Em 2012, o valor já era de R$ 4,8 milhões. O valor repassado ao Facebook em 2014 chega a ser maior que o dobro do montante acumulado desde 2010, de R$ 41,1 milhões.

Esta é a tabela dos gastos da União com publicidade:

facebook-verba-publicitaria

A receita obtida pelo Facebook ultrapassa, de longe, Google e YouTube, que receberam R$ 12,9 milhões desde 2005. Em 2009, o gasto com a empresa de Mountain View havia sido de R$ 2,7 milhões, mas passou para apenas R$ 851 em 2011 (não, eu não esqueci a unidade). Ao menos o valor ínfimo de quatro anos atrás é maior do que o repassado ao Twitter — que nunca recebeu nada da União.

Apesar dos números parecerem exorbitantes, os gastos do governo com publicidade em 2014 foram de R$ 2,3 bilhões, valor 5,7% menor que o desembolsado em 2013.

Facebook já recebe mais verba publicitária do governo federal que os grandes jornais










Microsoft transforma WorldWide Telescope em projeto open source

Posted: 02 Jul 2015 01:37 PM PDT

No início do ano, a Microsoft anunciou o plano de transformar o WorldWide Telescope em um projeto open source. Quase sete meses depois, a promessa foi cumprida: nesta quinta-feira (2), a empresa passou a disponibilizar o software sob uma licença de código aberto do MIT.

WorldWide Telescope

O WorldWide Telescope surgiu em 2007 (mas seu desenvolvimento começou em 2002) como um projeto da Microsoft Research (sempre eles). O software é uma espécie de planetário virtual que permite, por exemplo, que você estude o Sistema Solar em seu computador, descubra características de planetas ou conheça constelações.

Para facilitar a compreensão, imagine o WorldWide Telescope como um Google Earth, só que focado no universo e com mais riqueza de detalhes. O conteúdo explicativo e as fotos vêm de diversas instituições, especialmente da NASA — com destaque para as imagens geradas pelo Telescópio Espacial Hubble.

No final das contas, o que se tem é uma poderosa ferramenta educacional. Por ser gratuito, o WorldWide Telescope vem sendo utilizado no mundo todo por instituições de ensino, estudantes e pessoas interessadas em astronomia.

WorldWide Telescope

Como projeto open source, o WorldWide Telescope passa a fazer parte da .NET Foundation (o software foi escrito em .NET). A Microsoft explica que, com a decisão, qualquer organização ou indivíduo poderá adaptar o software para atender às suas necessidades e, claro, contribuir para a inclusão de recursos.

A Microsoft também acredita que a iniciativa permitirá o aproveitamento de determinadas funcionalidades da ferramenta em outros projetos. Dá até para apostar no surgimento de versões para outras plataformas além do Windows.


Para baixar o WorldWide Telescope, visite o site oficial da ferramenta. Se preferir, você pode utilizar o serviço a partir da versão web. Caso você seja desenvolvedor, basta acessar a página do projeto no GitHub para obter o código-fonte.

Com informações: VentureBeat

Microsoft transforma WorldWide Telescope em projeto open source










Está faltando algo no catálogo do Apple Music? Libere as músicas com conteúdo “explícito”

Posted: 02 Jul 2015 11:51 AM PDT

apple-music

Fiquei decepcionado com o Apple Music nos primeiros minutos de uso: muito do que gostaria de ouvir não estava disponível para reprodução. O catálogo do serviço de streaming da Apple não poderia ser tão ruim. Mas a verdade é que, por padrão, músicas consideradas explícitas ou com palavras de baixo calão (e são muitas) não aparecem na busca ou ficam marcadas como indisponíveis.

Veja abaixo como remover a restrição e desbloquear todo o catálogo do Apple Music.

iOS

Diferentemente de como deveria ser, o processo de desativar as restrições não se encontra dentro de… Músicas. Você deverá ir em Ajustes, Geral e depois Restrições. Escolha uma senha numérica de quatro dígitos e ative as restrições. Na seção Conteúdo Permitido, clique em “Música e Podcasts” e altere de “Apropriado” para “Explícito”.

apple-music-restricoes-1

apple-music-restricoes-2

Após realizar o processo, todas as músicas explícitas aparecerão nas suas buscas. Caso prefira, você poderá desabilitar a função de restrições posteriormente e a opção de conteúdo explícito continuará ativada.

Antes e depois da alteração

Antes e depois da alteração

iTunes

Remover a restrição no iTunes é bem mais fácil: basta ir nas preferências do aplicativo, clicar na aba Parental e desativar a opção “Música com conteúdo explícito” no menu Restringir. Após o processo, todas as músicas serão exibidas em sua busca.

itunes-apple-music-restricoes

E aí, o que você está achando do Apple Music até agora?

Está faltando algo no catálogo do Apple Music? Libere as músicas com conteúdo “explícito”










Microsoft SemanticPaint, uma mistura de Paint com realidade virtual

Posted: 02 Jul 2015 10:17 AM PDT

A Microsoft Research continua fazendo “mágica”. Nesta semana, a divisão apresentou uma tecnologia chamada SemanticPaint que permite ao usuário “digitalizar” o ambiente em que está e realizar uma série de ações virtuais a partir daí.

Como o nome sugere, o projeto é quase como uma versão com realidade virtual do Paint, aquele aplicativo de desenho que acompanha o Windows desde os primórdios da plataforma. É possível trocar as cores de objetos, aplicar efeito de spray, mudar o ângulo de visão e por aí vai.

SemanticPaint

Para visualizar o ambiente em que está e manipulá-lo virtualmente, o usuário pode usar óculos especiais (a Microsoft não usou o HoloLens na pesquisa, mas nada impede ambos os projetos de se fundirem futuramente). Já a interação e o mapeamento 3D do local é feito via Kinect, em tempo real.

O funcionamento é bastante interessante. No primeiro estágio, o SemanticPaint “monta” o ambiente como um artefato só. Na sequência, os objetos vão sendo identificados, classificados (cadeiras, copos, mesas, etc.) e delimitados. É isso que permite ao usuário selecionar apenas um item para modificar.

Graças ao reconhecimento, o usuário consegue, além de gestos, usar comandos de voz. Ao pronunciar “banana”, por exemplo, o SemanticPaint é capaz de buscar o objeto pelo ambiente e destacá-lo.

Todo o processamento é feito nas nuvens e tem como base um sistema de aprendizagem. Assim, quanto mais o SemanticPaint for usado, mais precisa ficará a sua tecnologia de reconhecimento.

É fácil imaginar as aplicações possíveis. Jogos, programas educativos, serviços de entretenimento, treinamento virtual, entre outros.

A Microsoft Research destaca ainda que a tecnologia pode ser usada para o desenvolvimento de equipamentos para deficientes visuais e até mesmo para aprimorar a orientação de robôs — o SemanticPaint também é capaz de contextualizar o ambiente, identificando, por exemplo, uma escada que impede a locomoção de uma máquina que utiliza rodas.

Há mais detalhes sobre o projeto neste paper (PDF).

Com informações: Engadget

Microsoft SemanticPaint, uma mistura de Paint com realidade virtual










Crise econômica: vendas de smartphones caem no Brasil pela primeira vez

Posted: 02 Jul 2015 09:36 AM PDT

O mercado brasileiro de smartphones teve queda nas vendas pela primeira vez na história. O resultado é reflexo da crise econômica que o Brasil enfrenta, segundo a IDC, que registrou diminuição de 16% no número de aparelhos vendidos em maio, em comparação com o mesmo período de 2014.

As fabricantes venderam 4,86 milhões de unidades em abril e 3,89 milhões em maio (quedas de 1% e 16%, respectivamente). Pelas estimativas da consultoria, que ainda não divulgou os números relativos ao mês de junho, o segundo trimestre de 2015 deve registrar diminuição de 12% nas vendas. Maio e abril são meses considerados bons para as vendas, por causa da proximidade com o Dia das Mães e Dia dos Namorados.

smartphone-internet

Segundo a IDC, um dos principais fatores para a queda nas vendas foi a variação cambial, que aumentou os preços dos smartphones: "A alta do dólar gerou repasses de preços ao consumidor e os aparelhos intermediários ficaram de R$ 30 a R$ 60 mais caros e os tops de linha tiveram aumento de R$ 100 a R$ 200, afetando diretamente o volume de celulares comercializados".

A queda nas vendas de smartphones significa que "os canais de varejo e de distribuição estão com estoque de produtos lotados" e que "as operadoras estão reduzindo o volume de compras de aparelhos", de acordo com a consultoria. O contraste com os anos anteriores é bastante visível: no segundo trimestre de 2014, o mercado brasileiro de smartphones havia crescido 56% (!) em relação a 2013.

Para 2015, a previsão é que sejam vendidos 54 milhões de smartphones — menos que os 63,5 milhões estimados anteriormente pela consultoria.

Crise econômica: vendas de smartphones caem no Brasil pela primeira vez










Windows 10 não será lançado para todo mundo no dia 29 de julho

Posted: 02 Jul 2015 08:26 AM PDT

windows-10-wallpaper

É difícil encontrar alguém que não esteja ansioso para usar a versão final do Windows 10, uma das maiores atualizações da história do sistema, no dia 29 de julho. Essa data, no entanto, não será para todo mundo. Como assim?

A Microsoft assumiu que é mais seguro começar a liberar a atualização no dia 29 de julho para os beta testers, ou seja, para quem se inscreveu no Windows Insider (no momento, são 5 milhões de usuários). Logo depois, a fabricante irá priorizar quem reservou a atualização, atingindo nessa leva consumidores que usam Windows 7 ou 8.

A liberação será feita em etapas e levará alguns dias, para “garantir que todos tenham uma excelente experiência de upgrade”. Aparentemente, a medida está sendo feita para evitar possíveis congestionamentos nos servidores.

A empresa divulgou que enviará em breve uma cópia do Windows 10 para as fabricantes “ajudarem os consumidores a atualizar dispositivos novos que foram lançados com o Windows 8.1″. Essa cópia também permitirá que as fabricantes melhorem a experiência de uso nos produtos que ainda não foram lançados.

windows-7-atualizacao

Empresas com edições corporativas do Windows também terão atualização diferenciada. Apesar do Windows 10 Pro e Windows 10 Home começarem a ser disponibilizadas a partir do dia 29 de julho, as edições Windows 10 Education e Windows 10 Enterprise, que normalmente são compradas e instaladas em volume pelas empresas, serão lançadas a partir de 1º de agosto.

Ainda há a possibilidade do seu computador não ser compatível com o Windows 10. Caso isso aconteça, a Microsoft detalhará o que deu errado e o usuário terá a opção de prosseguir com a atualização ou não, dependendo de soluções alternativas na Windows Store.

Vale lembrar: quem comprou as versões 7, 8 ou 8.1 do Windows terá a atualização disponível sem custo algum até julho de 2016. Caso sua cópia não seja original, uma das alternativas é continuar no programa de testes, recebendo versões beta pelo Windows Insider.

Windows 10 não será lançado para todo mundo no dia 29 de julho










PayPal compra Xoom, serviço de remessa internacional de dinheiro

Posted: 02 Jul 2015 07:57 AM PDT

O serviço de transferência internacional de dinheiro Xoom vai trocar de mãos. O PayPal anunciou a aquisição da companhia pelo valor aproximado de US$ 890 milhões, montante que corresponde ao pagamento de US$ 25 por ação.

Xoom

Atualmente, o Xoom marca presença em 37 países, incluindo o Brasil. A empresa registra mais de 68 milhões de clientes só nos Estados Unidos. No ano passado, seus serviços foram usados para movimentar cerca de US$ 7 bilhões em transferências feitas via meios online.

De modo geral, os recursos oferecidos pelo Xoom são bastante versáteis. O usuário pode fazer remessas a partir do site ou app móvel do serviço, rastrear transferências e definir como o destinatário receberá o dinheiro (depósito em conta ou saque no banco), por exemplo, pagando taxas acessíveis.

Até certo ponto, o Xoom concorre com o PayPal. Mas a aquisição não é uma manobra desta para diminuir a concorrência: o PayPal quer aproveitar a boa aceitação que o Xoom tem em mercados importantes — como Brasil, China, Índia e México — para aumentar o seu leque de serviços e fazer frente a empresas como Western Union.

O negócio é especialmente importante na atual fase. Até o final do mês, o PayPal terá se separado oficialmente do eBay. Com a “independência”, a ampliação de mercado deve trazer mais segurança à companhia.

PayPal

Não havendo problemas com órgãos regulatórios e investidores, o negócio será finalizado no último trimestre do ano. O valor oferecido de US$ 25 por ação deve facilitar a aprovação da aquisição por parte dos acionistas do Xoom — na quarta-feira (1), cada papel da empresa valia US$ 20,70.

Para tranquilizar clientes preocupados com possíveis grandes mudanças, o PayPal fez questão de ressaltar que o Xoom continuará funcionando como uma divisão independente, mesmo quando o negócio for concluído.

Com informações: TechCrunch

PayPal compra Xoom, serviço de remessa internacional de dinheiro










TIM lança serviço de streaming de música baseado no Deezer sem desconto na franquia de dados

Posted: 02 Jul 2015 06:32 AM PDT

tim_campanha

O serviço de música da TIM passou recentemente por uma reformulação após a operadora fechar uma parceria com o Deezer. Agora que a integração foi concluída, o TIMmusic passa a ter os mesmos recursos e acervo do Deezer — mas custando menos para os clientes da operadora. Além de pagarem mais barato, os assinantes da TIM poderão escutar músicas por streaming sem afetar a franquia de internet.

Com a novidade, o serviço da TIM passa a se chamar TIMmusic by Deezer e conta com 35 milhões de músicas na coleção. Os clientes pós-pagos TIM Liberty pagam R$ 9,90 por mês, menos que os R$ 14,90 cobrados pelo Deezer para quem não é usuário da operadora. Nos planos pré-pagos (Infinity) e controle (Liberty Controle), o valor é de R$ 2,90 por semana.

Pelo regulamento do TIMmusic by Deezer, a grande vantagem do serviço é que os clientes da operadora não precisarão se preocupar com o consumo de dados quando quiserem ouvir músicas por streaming no 3G ou 4G. "O serviço não gera cobrança adicional pela utilização da rede de dados e não interfere nos volumes de consumo de referência das ofertas de dados da TIM", diz o texto.

timmusic-deezer

Para assinar o TIMmusic by Deezer, os clientes pré-pagos, controle e pós-pagos da TIM devem enviar um SMS com a palavra MUSICA para 8000. Quem possui o plano Liberty Express já tem direito ao serviço de streaming de música incluído na mensalidade, também sem desconto da franquia de dados.

Os aplicativos do serviço da TIM são os mesmos do Deezer e podem ser baixados para Android, iOS e Windows Phone.

TIM lança serviço de streaming de música baseado no Deezer sem desconto na franquia de dados










Prefeitura de SP pedirá carros pelo app do Uber para apreender veículos em flagrante

Posted: 02 Jul 2015 05:17 AM PDT

uber-logo

A Prefeitura de São Paulo declarou guerra contra os veículos do Uber. Um dia após a Câmara Municipal aprovar em primeiro turno um projeto de lei que proíbe o funcionamento do serviço na cidade, o secretário de transportes Jilmar Tatto anunciou que planeja usar armadilhas para apreender carros em flagrante com a ajuda da Polícia Militar e Guarda Civil Metropolitana.

A ideia é que os policiais militares e guardas-civis metropolitanos peçam um carro no Uber como se fossem um usuário comum. Quando o motorista chegar, ele será pego em flagrante por prestar serviço irregular e terá o carro apreendido. Segundo o Estadão, ainda não há data para a fiscalização começar, mas a prefeitura já apreendeu 21 carros neste ano sem usar a tática.

De acordo com Tatto, não seria necessário aprovar uma nova lei para proibir o funcionamento do Uber na cidade, porque os táxis já detêm o monopólio do serviço de transporte individual. Por isso, ele pretende intensificar a fiscalização pedindo ajuda da Secretaria de Segurança Urbana — o número de fiscais do Departamento de Transporte Público (DTP) é insuficiente para conter o Uber.

O projeto de lei 349/2014 foi aprovado pelos vereadores de São Paulo na noite de terça-feira (30) e proíbe o transporte remunerado de pessoas por meio de carros particulares cadastrados em aplicativos. O texto passará por uma segunda votação na Câmara Municipal e então seguirá para sanção pelo prefeito Fernando Haddad. A pena prevista em caso de descumprimento será multa de R$ 1,7 mil e apreensão do veículo.

Prefeitura de SP pedirá carros pelo app do Uber para apreender veículos em flagrante










Atualização do Snapchat permite reprodução com apenas um toque

Posted: 02 Jul 2015 04:18 AM PDT

snapchat-logo-clean

Quem nunca ficou cansado de segurar na tela do smartphone para ver aquela Story de 300 segundos que muita gente acumula no Snapchat? Essa marca de usabilidade do aplicativo, que o acompanha desde o começo, agora foi descartada. Minha mão agradece!

A mudança faz parte da atualização recente no aplicativo. Nem Evan Spiegel, CEO da empresa, aguentava mais deixar o dedo na tela para ver fotos e vídeos. Agora, portanto, é só tocar uma vez em um novo Snap que ele será automaticamente reproduzido. Ao tocar na tela, o Snap é pulado; para parar a exibição, é só arrastar o dedo para baixo.

snapchat-atualizacao-tap

Screenshot_2015-07-01-23-58-30Há quem diga que a alteração não foi tão boa assim. Obrigar o usuário a ocupar uma mão ao ver o Snap tornava mais difícil que ele tirasse screenshot, por exemplo.

Essa não foi a única novidade da atualização. O Snapchat também passou a deixar o usuário customizar o BooR (leia-se boo-arr) com várias selfies. Se você não lembra, é aquele jeito de adicionar amigos usando um QR Code.

Por último, agora o aplicativo mostrará pessoas que também usam Snapchat e estão perto de você. Infelizmente, essa funcionalidade só funciona se a pessoa estiver com o menu “Add Nearby” aberto. Faz sentido, se você pensar que o usuário só quer ser descoberto se ele também quiser adicionar mais amigos, porém há quem preferiria deixar a opção sempre ativa (não é possível).

Caso você ainda não tenha baixado a atualização, aqui está o link para Android e iOS.

Atualização do Snapchat permite reprodução com apenas um toque










Read more »